domingo, 29 de dezembro de 2013

Resenha crítica do filme “Caixa Dois”

Apesar de não ter o costume de postar aqui coisas que não sejam relacionadas diretamente ao Rock/Metal, como estamos chegando no final do ano e eu estou livre das aulas por enquanto, resolvi publicar algumas das resenhas sobre filmes que tive que fazer neste semestre.
Pra começar, vou deixar aqui a primeira resenha que fiz para a matéria de Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial, da comédia nacional Caixa Dois. Além de um trabalho acadêmico, esta resenha é, também, minha opinião acerca do filme. Obviamente, a minha opinião não é absoluta, você pode discordar ou concordar comigo; mas antes sugiro que veja o filme (sugiro, mas não recomendo - pode ser uma experiencia dolorosa). 


Baseado na peça homônima escrita por Juca de Oliveira e dirigida por Fauzi Arap, que foi vista por um público superior a um milhão e espectadores, o filme “Caixa Dois” tenta nos mostrar um pouco da realidade brasileira através de uma fórmula já batida no cinema nacional: comédia pastelão. O que não chega a ser um demérito tão grande, tendo em vista que o enredo trata de um tema bastante delicado como é o caso da corrupção.

A trama mostra o que acontece quando o poderoso banqueiro Luiz Fernando escolhe sua secretária Ângela como “laranja” para receber um cheque de 50 milhões de reais ilícitos. Por um engano cometido pelo executivo conhecido como “Romero” (ou Romeiro), o dinheiro vai parar na conta da honesta professora Angelina, mãe de Henrique, que, por sua vez, é namorado de Ângela. Angelina cogita devolver o dinheiro, no entanto, acontece de seu marido, o gerente Roberto, ser demitido do banco de Luiz Fernando.
Com um início confuso e mal desenvolvido, após meia hora a trama se arrasta de maneira lenta e demora a engatar o fator cômico a que se propõe; algo bastante negativo para um filme tão curto (cerca de 1h15m).

Apesar disso, é válido ressaltar o lado “sério” do longa que brinca com estereótipos e faz uma pequena crítica social, questionando os valores éticos e morais do cidadão brasileiro, independente da sua condição socioeconômica. Entretanto, o texto escorrega feio ao apresentar o conceito genérico de que qualquer pessoa (mesmo a mais honesta) pode sucumbir à corrupção e desonestidade se a recompensa for alta o bastante. Percebe-se uma apelação clara em comprovar tal teoria quando é colocada em xeque a idoneidade de um personagem que se apresenta como um dos pilares da moral no início da estória e que deveria, em tese, servir de exemplo.
Outro ponto crucial do longa é a forma como é construído o embate entre o bem e o mal, o certo e o errado; temos de um lado a família de classe média que, com muito esforço, paga as hipotecas da casa própria, e do outro o banqueiro corrupto, ganancioso e dissimulado que preocupa-se apenas com o seu próprio bem estar. Como mediador disso, um meio termo para contrabalancear e estabelecer a ligação entra os dois mundos, temos o recém demitido Roberto; o funcionário dedicado e esforçado que veste a camisa da sua empresa com maior orgulho. 

No final temos um desfecho já esperado, onde a família e seus valores são enaltecidos (e “justamente” recompensados) e o banqueiro ricaço e seus companheiros são, de certa forma, condenados; sem esquecer também de valorizar o velho e já mundialmente conhecido “jeitinho brasileiro”, com a alusão implícita ao antigo dito popular de que “ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão”.

sábado, 28 de dezembro de 2013

1ª Conclave de Honra


Cajazeiras é amplamente conhecida como um dos maiores bairros da capital baiana. No entanto, a partir do dia 22 de Dezembro do ano que se encerra, ela ficará conhecida e marcada por sediar a primeira edição do "Conclave de Honra"!

Idealizado como um grande encontro entre amigos que tem uma paixão em comum (Rock/Metal), o evento que reuniu as bandas Honra, Agressivos, Metropolis, Mother Fucker e Nuclear War pode ser considerado o maior já realizado neste seguimento em nossa querida Cajazeiras desde o extinto CMF (cajazeiras metal fest). Tendo como principal objetivo movimentar a cenário da música pesada cajazeirense, o Conclave de Honra foi uma iniciativa tomada por integrantes da banda Honra formada por músicos de diversas bandas já conhecidas no meio underground da região como, por exemplo, Fullminant, Natiomorto e Necroceremony. 
Apesar da mudança inesperada e de ultima hora, o evento começou com um atraso razoável e aceitável, dada as circunstâncias; O que não de forma alguma comprometeu o andamento do evento. 

Metropolis
A primeira banda a se apresentar foi a novata Nuclear War, mandando um Thrash de responsa e muito bem entrosado. Apesar de tocarem sem a presença de um baixista, os garotos se saíram muito bem, mantendo um som coeso, agressivo e dinâmico. Apesar de não ter acompanhado a apresentação completa, posso afirmar que ainda ouviremos falar bastante dessa galera. Logo em seguida foi a vez da Metropolis mandar seu Metal Progressivo com influências de Metal Extremo. Mantendo a qualidade de sempre, a banda executou, além das músicas próprias, alguns covers de nomes consagrados no Heavy Metal mundial como, por exemplo, Metallica, Symphony X, Iron Maiden e Dream Theater. Sem deixar a "peteca cair", a veterana Agressivos deu sequência ao evento com seu Hardcore extremamente pesado e técnico. Aproveitaram a deixa para apresentar o seu mais novo integrante que vai reforçar o som da banda nas guitarras. Após um pequeno intervalo é a vez da irreverente Mother Fucker, que surpreendeu muita gente que ainda não conhecia o som dos caras. Com uma sonoridade singular, a MF, como é conhecida, executou seu Rock/Metal com fortes influencias de Stoner. Infelizmente, a banda também teve de se apresentar seu o baixista por motivo de força maior. E por ultimo, fechando a noite com chave de ouro, a idealizadora do conclave faz as vezes com uma apresentação matadora e empolgante. A Honra, com o seu "MelodicThrashDeath" colocou o local do evento abaixo e manteve o público na mão com uma performática apresentação. 

Agressivos
Além das ótimas apresentações, uma coisa importante preciso ressaltar é a qualidade de som e a atenção dos operadores que lá estavam. Apesar de a acústica da casa não ajudar muito, tenho certeza que todas as bandas ficaram satisfeita com a aparelhagem disponível. Quanto a acústica, devido a casa de show ser razoavelmente espaçosa, o som, em alguns momentos, ecoava bastante. Provavelmente a ausência de um palco possa ter influenciado (em parte) nisso. 
Honra

Outro ponto importante que precisa ser citado é o fato de o local do evento ter sido alterado já no dia do show. Mesmo com tudo para não acontecer, o esforço notável da organização possibilitou que ocorresse tudo perfeitamente, mesmo com todos os indicativos de que seria ao contrário. 
No final, o evento se mostrou bastante positivo, com uma presença expressiva do público que não se deixou intimidar pelo dia chuvoso e pela mudança repentina de local. Com certeza um evento que será lembrado por todos os presentes por um bom tempo!

Para conferir mais fotos do evento, basta clicar AQUI.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

James LaBrie - Impermanent Resonance (2013)



É impossível se falar em James LaBrie sem associá-lo a sua banda principal que o consagrou como um dos maiores vocalistas do Metal Progressivo na opinião de alguns, e um dos piores na opinião de outros. E, verdade seja dita, quando se fala em Dream Theater e seus integrantes, o debate é extenso, acalorado e as opiniões divergem a níveis extremos.

Mesmo sendo odiado por muitos, LaBrie conseguiu e consegue se sobressair o suficiente para manter a sua carreira sólida e cada vez mais ativa. E desta vez, com o lançamento do seu terceiro disco solo intitulado “Impermanent Resonance”, ele também consegue mostrar que pode andar muito bem (absurdamente bem) com as próprias pernas, por assim dizer. 

Lançado no dia 29 de Julho na Europa e 06 de Agosto na América do Norte, “Impermanent Resonance” é, também, o segundo disco de LaBrie em parceria com o tecladista Matt Guillory, de modo que a fórmula continua basicamente a mesma adotada em “Static Impulse” de 2010, que mesclava pegadas agressivas de Metal moderno com melodias que grudavam facilmente na cabeça por um bom tempo. No entanto, aqui nós temos uma evolução natural, onde o que era bom ficou ainda melhor! 


Apesar de seguir a mesma proposta de seu predecessor, “Impermanent Resonance” ainda consegue surpreender e apresentar uma sonoridade mais madura e firme, mais coesa. Há mais espaço para experimentar e ousar; há mais sintetizadores e influências eletrônicas (o que não é algo ruim) e a agressividade está bem mais presente, sem deixar de lado as belíssimas melodias e refrãos grudentos. Neste álbum o que vemos é cada um dando o melhor de si e isso é possível perceber em cada faixa do registro. As linhas de guitarra de Peter Wichers (SOILWORK) e do italiano Marco Sfogli transbordam bom gosto, com Riffs rápidos e agressivos quando necessário, ou em linhas mais melódicas e calmas, sempre muito bem acompanhadas da execução precisa de Peter Wildoer que traz consigo toda a carga do Melodic Death Metal Sueco, tanto na Bateria quanto nos vocais guturais.

Falando em vocais, não se pode deixar de lado a menina dos olhos deste disco: As linhas de voz! Aqui, LaBrie nos entrega uma de suas melhores performances da sua carreira. Os arranjos de voz estão extremamente bem feitos, sem exageros e sem os habituais agudos estridentes que fazem com que muitos o odeiem no Dream Theater. Isso sem falar dos backing vocals feitos por Matt Guillory que dão um brilho especial às músicas. 

Ao todo são 12 canções muito bem compostas e produzidas, de forma que se torna uma tarefa quase impossível destacar alguma entre elas como sendo a melhor do disco. Mesmo assim, vale ressaltar a pesada “Agony”, que abre o álbum em grande estilo, a cadenciada “Slight Of Hand” com seu refrão marcante e grudento, as climáticas “Holding On” e “Lost In The Fire”, a agressiva “I Will Not Break” que quase se assemelha a um Thrash moderno e a belíssima balada “Say You’re Be Mine”.

Apesar de o mercado já estar saturado com o mais do mesmo, Impermanent Resonance consegue dar um novo fôlego ao gênero e mostrar que tudo que o Heavy Metal em geral precisa é de pessoas talentosas que não tenham medo de ousar e tenham paixão pelo que fazem.
Com este que já pode facilmente ser configurado entre os melhores lançamentos do ano, James LaBrie também pode se gabar de ter lançado um dos melhores trabalhos de sua carreira! 




segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Angra em Salvador! - 20 Years Anniversary Tour

Abertura: Age Of Artemis e Terra Prima
Local: Bali Beach Club



Após cerca de três anos sem pisar na capital baiana, o Angra, um dos principais nomes do Heavy Metal Melódico brasileiro, volta para realizar mais uma apresentação e, assim como em 2010, trazendo novidades. Digo isso porque naquele ano tivemos a volta do baterista da formação clássica, Ricardo Confessori, às baquetas e um novo álbum de estúdio; O (apenas) bom "Aqua".
Como todos os fãs devem saber (ou deveriam), Edu Falaschi, que assumiu os vocais após a saída do Andre Matos, anunciou que deixaria a banda no ano passado. O que, mais uma vez, fez com que a mesma pausasse as atividades. E então é aí que entra a novidade deste ano: A participação do italiano Fabio Lione. Mais conhecido pelo seu trabalho a frente das bandas Rhapsody Of Fire e Visio Divine.

Lione foi inicialmente convidado apenas para os shows que seriam realizados no cruzeiro "7000 Tons of Metal" e no Live ’n’ Louder. No entanto, a parceria foi tão bem aceita pelo público que, algum tempo depois, foi anunciado que haveria uma tournée em comemoração aos 20 anos de lançamento do aclamado "Angels Cry". E, pra alegria dos fãs, esta série de shows aportou aqui na cidade do axé!


Apesar de ter sido marcado para começar às 18 horas, quando cheguei ao local do evento (por volta das 17), já se podia ver uma crescente nuvem negra que aumentava cada vez mais. Ótimo para as bandas de abertura; imaginei. Entretanto, após adentrar o espaço, percebi que não seria exatamente assim. Como assim? Bom, deixe-me explicar: assim que vi o tamanho do palco e o set de bateria do Ricardo já montado, percebi que a banda principal seria a primeira (!), devido o fato de o palco oferecido pelo Bali Beach Club não ser tão extenso e não ter capacidade para comportar dois sets de bateria. 

Por volta das 18h30min a banda sobe ao palco para realizar a sua passagem de som e dar os ajustes finais, tocando "Winds of Destination". Todo este processo levou cerca de meia hora, causando inquietação do lado de fora do Bali; inclusive, eu cheguei a ouvir o Kiko (Loureiro) brincar dando pressa ao pessoal pra abrir logo os portões antes que a galera "quebrasse tudo lá fora". 
Enfim, as 19h00min horas os portões se abrem e os fãs impacientes já começam a se aglutinar à frente do palco, como se já soubessem que a atração principal abriria o evento. Conforme o tempo passava, podia-se ver a ansiedade na cara de muitos; alguns já muito impacientes com a demora. 
Passaram-se uma hora e meia desde a abertura dos portões e duas horas e meia desde o horário previsto para início do evento, quando começamos a ouvir uma introdução, aparentemente, composto para esta série de shows comemorativos. As cortinas se abrem e o grupo surge no palco executando de cara "Angels Cry" do disco que leva o mesmo nome, cantada em uníssono pelos fãs presentes, chegando até mesmo a sobrepujar a o som da banda! A seguir, sem tempo para descanso, diretamente do "Holy Land" vem a conhecidíssima "Nothing To Say", seguida de "Waiting Silence", do excelente "Temple Of Shadows" e só então temos uma pausa. Neste momento, o Fabio Lione – visivelmente empolgado – tenta uma comunicação em português com o público que, apesar do sotaque carregado do italiano, conseguiu entende-lo perfeitamente.
Logo a seguir, temos mais uma do "Angels Cry"; a intensa "Time", mais uma que o público canta a plenos pulmões. Momento tão marcante que chegou a arrancar um "do caralho" do Fabio ao final da música! Sem perder tempo, a banda começa os primeiros acordes de "Lisbon", balada consagrada do disco "Fireworks". Nesta faixa, ficou uma sensação de estranheza devido à falta do solo de teclado. No entanto, nada que prejudicasse a apresentação. Aliás, a falta de teclado foi algo que me chamou bastante a atenção durante todo o show: Em algumas músicas fez-se uso de sintetizadores pré-gravados e em outras o próprio Kiko Loureiro tocou, como foi o caso de "Millennium Sun" e "Winds Of Destination" que vieram em seguida.

"Gentle Chage", mais uma balada do "Fireworks" veio acalmar um pouco o público eufórico após a execução de "Winds Of Destination", e após ela, o Fabio aproveita o clima de calmaria para "apresentar" um excelente guitarrista e também vocalista, referindo-se ao Rafael Bittencourt. Assumindo o microfone, Rafael aproveita para falar um pouco da importância que tem cada registro na carreira da banda ao longo desses 20 anos, e finaliza apresentando "The Voice Commanding You", canção que faz parte do álbum que não foi muito bem recebido pelos fãs na época: O "Aurora Consurgens".
Logo depois vem a já conhecida "Late Redemption", onde o Kiko Loureiro canta as partes em português, originalmente interpretadas por Milton Nascimento. Na verdade, pode-se dizer que o Kiko tentou cantar, pois, nesta música, o coro que se formou foi ainda maior que o formado durante a execução de "Angels Cry"! Impossível não notar a empolgação de todos diante da resposta dos expectadores. 

Faz-se uma pequena pausa, então, e os outros integrantes da banda saem do palco. Nesse momento o público aproveita para recarregar as baterias. Alguns instantes depois sobem ao palco Kiko e Rafael para continuar o show com um formato mais intimista, já conhecido dos fãs; é o set acústico. A diferença aqui é o fato de que, em anos anteriores, a sessão acústica tinha a participação de toda a banda. Dessa vez, porém, foram apenas o Rafael e o Kiko tocando e cantando as músicas. Este set acústico começa com o Rafael falando um pouco mais da história da banda e de como ele e o Kiko se conheceram, para, só então, anunciar aquela que ele considera a primeira música do Angra de fato: "Reaching Horizons". Na sequência veio ainda "Carolina IV", "Caça e Caçador", "A Monster In Her Eyes" – única representando o recente "Aqua" – e "Make Believe", sempre com vocais intercalados entre Kiko e Rafael.
Terminada a sessão acústica, todos voltam ao palco para executar "No Pain For The Dead" seguida de "Wings of Reality". Depois de uma pequena interação com a plateia, a banda excuta "Evil Warning" e faz uma pequena pausa preparando a música mais aguardada da noite.

Com o inicio de "Unfinished Allegro", não resta dúvidas de que é hora de um dos maiores clássicos do Metal Melódico nacional dar o ar da graça. "Carry On", como sempre, incita a famosa "roda" no centro da pista em frente ao palco e faz anima a toda a plateia do início ao fim. E próximo ao final da música, um grito ainda maior de euforia invadiu o Bali Beach Club quando Alírio Netto, vocalista do Khallice, Age of Artemis e Lince, subiu ao palco pra dividir os vocais com o Fabio – um dos pontos mais altos do show! Após toda a empolgação de "Carry On", vem a calmaria antes da tempestade com "Ribirth" do álbum homônimo, seguida de "In Excelsis" que serve de abertura para "Nova Era", outro grande clássico da banda que encerra a apresentação do Angra em Salvador.
Após 22 músicas em duas horas e meia de show, o Angra provou que ainda tem muito pra mostrar e que, apesar das dificuldades que vem enfrentando, não pretendem parar tão cedo. Todos estavam bastante à vontade e esbanjando energia e carisma – até mesmo o Kiko que tem fama de ser mais reservado mostrou-se bastante "amigável". Um show pra ficar na memória por muito tempo, com toda certeza!


Como eu já imaginava, assim que a banda saiu do palco e as cortinas se fecharam ao som de "Gate XIII", cerca de metade dos presentes dispersou e foi embora. O grande problema de se colocar a atração principal no inicio do evento, é o fato de que boa parte da audiência dispersa após a apresentação. Com o Angra não foi diferente, infelizmente. Quem saiu perdeu a curta, porém excelente, apresentação do Age Of Artemis (a qual eu estava ansioso para ver)!
Os brasilienses liderado por Alírio Netto, mais conhecido pelo seu trabalho na banda de Prog Metal Khallice, tocaram apenas cinco músicas, mas que animaram bastante todos os que ficaram para ver. 
Apesar de curto, o set da Age Of Artemis agradou bastante e as músicas foram muito bem escolhidas. Após a intro "What Lies Behind", "Echoes Within" chamou a galera pra acompanhar de perto o desempenho do grupo. E, provavelmente, para a surpresa da banda, muitos dos que estavam na frente já conheciam suas músicas e cantavam a plenos pulmões! 


Ainda é preciso ressaltar a qualidade técnica da banda e o carisma e a presença do vocalista, Alírio Netto; mesmo com poucas pessoas presentes, os caras mandaram destilaram virtuosismo e técnica em canções como "You’ll See", "Truth In Your Eyes", "Take Me Home" e "Mystery".

Logo a seguir, por volta das 00h20min, os cearenses da "Terra Prima" sobem ao palco. O show mais voltado para a divulgação do seu mais recente trabalho, o álbum "And Life Begins". Outra banda excelente que merece uma atenção maior por parte dos fãs!

Um dia inesquecível para os fãs de Heavy/ Power Metal Melódico que vai ficar marcado na memória de muitos, com toda a certeza!
Como ponto negativo, ressalvo apenas a falta de estrutura da casa em atender um evento deste porte. Acredito que muitos desistiram de prestigiar o show por conta do local onde seria realizado – atitude lamentável, porém, existente. Outro ponto negativo foi a localização da mesa de som e aparelhagem, que estava muito próximo do palco e, entre pilastras e cabos, diminuía o espaço para que os fãs "bangueassem" . 
Entretanto, podemos dizer que o saldo total do show foi positivo! Parabéns a organização pela iniciativa e as bandas pelo excelente trabalho! 
E que venham os próximos!

Setlist Angra
1. Intro/ Angels Cry
2. Nothing To Say
3. Waiting Silence
4. Time
5. Lisbon
6. Millennium Sun
7. Winds Of Destination
8. Gentle Change
9. The Voice Commanding You
10. Late Redemption
11. Silence And Distance
12. Reaching Horizons
13. Carolina Iv
14. Caça E Caçador
15. Monster In Her Eyes
16. Make Believe
17. No Pain For The Dead
18. Wings Of Reality
19. Evil Warning
20. Unfinished Allegro/ Carry On
21. Rebirth 
22. In Excelsis/ Nova Era
23. Gate XIII

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Almah: Marcelo Moreira fala um pouco sobre o 4º disco!

No ultimo dia 08 de Junho o baterista Marcelo Moreira do Almah, banda capitaneada pelo ex-Angra Edu Falaschi, esteve aqui na capital baiana para uma participação especial no show do STORMENTAL.
Em uma conversa casual que bati com ele, entre uma cerveja e outra ele me falou um pouco sobre o que esperar do próximo disco da banda e as comparações entre os lançamentos anteriores, além de falar sobre a atual cena que Metal brasileiro vive e outros assuntos. Mas vou me ater apenas ao que interessa: O próximo disco do Almah. Segue...


Sobre a repercussão do "Motion" e a subsequente comparação com o "Fragile Equality":

TME: O "Motion" foi bastante comentado pela diferença expressiva em comparação ao disco anterior.

Marcelo Moreira e Andrei Leão (Stormental)
Marcelo: Foi mesmo. a galera comentou bastante a diferença. Uns gostaram e outros nem tanto. Instintivamente o disco ficou mais pesado e muita gente que curte mais o Metal Melódico não curtiu tanto assim.

TME: Esse peso todo foi algo proposital?

Marcelo: Foi sim, a gente tava querendo fazer algo mais diversificado.

Sobre o novo disco:

TME: E o próximo disco vai seguir essa tendência mais pesada ou vai voltar aos moldes do "Fragile"?

Marcelo: Na verdade vai ficar num meio termo. Vai ter mais Metal Melódico que o Motion, mas vai ser pesado também.

TME: Já gravou a sua parte?

Marcelo: Ainda não. Devo gravar esta semana. Ainda estamos em pré-produção, mas já bastante adiantados. O disco deve sair agora no segundo semestre.

Até aquele momento (08/06) ainda não se tinha uma data de quando o disco estaria pronto ou quando seria lançado. Mas já tem coisas novas pra divulgar que eu postarei logo que tiver tempo!


terça-feira, 18 de junho de 2013

Próximos lançamentos!

Este ano está repleto de lançamentos pelos quais eu estava aguardando ansiosamente. Algumas das minhas bandas favoritas dão sequência a trabalhos que, ao meu ver, irão definir os passos que eles pretendem seguir. Outras apanas darão seguimento em sua agenda de lançamentos, mas ainda assim, vale a pena acompanhar. Eu pretendo fazer resenhas dos discos que já foram lançados (e que eu já ouvi), dar as primeiras impressões de singles ou clipes, como faço de costume e acompanhar as novidades, publicar os detalhes dos mais aguardados! Abaixo eu irei começar falando sobre o que já saiu até agora (que me interessa, óbvio) e deixarei minhas expectativas e primeiras impressões do que já ouvi.

A primeira banda que me chamou atenção este ano foi o Stratovarius que lançou no dia 22 de Fevereiro o seu terceiro disco sem o Timmo Tolki na guitarra, intitulado "Nemesis". 

Assim como nos trabalhos anteriores, a capa continua um espetáculo visual! Na resenha eu vou informar mais detalhadamente sobre isso e outras coisas. Os dois discos anteriores que sucederam a saída do Timmo da banda são realmente muito bons, entretanto, nada que se sobressaia tanto. A minha expectativa é que este tenha um pouco mais de ousadia; Os discos predecessores já começaram a ensaiar isso e é esta a minha aposta no novo lançamento dos caras. 

A próxima banda da qual eu irei falar estava me causando muita expectativa, pois eu estava esperando por algum lançamento desde 2009!!! O W.E.T. que é um grupo formado por integrantes das bandas (W)ork of Art, (E)clipse e (T)alisman. O primeiro disco me surpreendeu bastante, em especial o fato do Jeff Scott Soto estar cantando muito bem, cada vez melhor conforme a idade passa!
Intitulado "Rise Up", o novo álbum saiu do forno no dia 22 de Fevereiro e já posso adiantar que está excelente! Já ouvi uma vez e logo na primeira audição eu curti muito! Com músicas mais "encorpadas" e intensas, os caras conseguiram continuar o que já haviam começado em 2009 de uma maneira bastante interessante: É diferente, é a mesma coisa e é melhor que o anterior!!! Confiram a seguir o primeiro videoclipe do álbum que foi lançado junto com o single para a música "Learn to Live Again", música excepcional!



No dia 12 de Março Mike Portnoy e sua trupe do Adrenaline Mob lançaram seu disco de covers. Pra quem tava acompanhando a banda assim como eu, já deve saber que esta é o segundo e último disco do "Portnóia" com o grupo. Isso por que ele anunciou recentemente que estará encerrando suas atividades com a banda; Isso mesmo, ele vai sair de mais uma banda! 
Como ele era o "cabeça" do projeto, espero que o resto do grupo continue, pois, pra mim, esta é uma das MELHORES bandas de Rock da atualidade! "Omertà" lançado no ano passado foi uma grata surpresa e espero que ainda venham muitos outros frutos dessa árvore!

Em consequência da excelente repercussão tanto por parte do público quanto da mídia, a banda soltou este ano mais um registro, ao qual eu me referia inicialmente: o Covertà. Bom, por ora eu só ouvi o cover de "Barracuda", música da banda Heart. Gostei bastante do resultado e depois ouvirei com bastante atenção o resto do álbum.




No mais o disco parece tá bem legal (e a capa está animal também!) e eu pretendo comentar a respeito dele com mais riqueza de detalhes em breve. Pena que o MP não vai mais continuar com a banda, eu ainda não consigo acreditar que ele ta saindo de mais uma... Tá bem difícil de saber o que ele realmente quer fazer...!

Ainda no mês de Março, outra banda também me chamou atenção. Desde 2009 sem lançar nada, no dia 22 de Março do ano corrente, o Hypocrisy lança o seu 12º álbum de estúdio intitulado "End Of Desclosure" pela Nuclear Blast. Mais uma vez produzido pelo renomado Peter Tägtgren (vocal), o disco já conta com um vídeo pra música "Tales of Thy Spineless" (acima) que começou a ser divulgado no dia 04 de Abril.


Logo abaixo eu deixarei capas de alguns álbuns já lançados que eu pretendo dar uma conferida com mais calma.

Mors Principium Est: "...and Death said live" que já está disponível desde o dia  12 de Janeiro pela AFM Records.

"The living infinite" do Soilwork já disponível desde o dia 5 de Março. Apesar de não ser fã e não acompanhar muito o trabalho da banda, pretendo dar uma conferida nesse, pelo fato de ter curtido bastante o disco anterior.

DGM - banda interessantíssima de Metal Progressivo. Como fã do gênero, pretendo ouvir este disco com mais calma. Já está rolando desde o dia 26 de Março.

Bom, por ora vou ficar por aqui. Depois eu posto mais lançamentos e aos poucos irei escrevendo algumas primeiras impressões e resenhas!

Valeu!

quinta-feira, 30 de maio de 2013

The Endless Fall: EP online disponibilizado!


A banda de Melodic Death Metal THE ENDLESS FALL, da qual faço parte, acaba de disponibilizar um ep contendo 4 músicas pra download gratuito!
Idealizada em meados de 2009, só agora foi possível divulgar algum material devido a incompatibilidade do tempo de seus integrantes. A demo em questão já estava gravada desde o ano passado (2012) e agora, depois de alguns ajustes, está sendo laçada gratuitamente. Qualquer outra novidade acerca do projeto será lançada diretamente aqui. Então, se curte Death Metal Melódico old, fiquem atentos que a THE ENDLESS FALL tem muitas novidades reservadas para este ano!

Para baixar o EP "The Endless Fall" clique aqui!

Curta a página oficial da banda no Facebook aqui


terça-feira, 28 de maio de 2013

Masterplan: Divulgando novo videoclipe

Após mais uma saída do vocalista Jorn Lande, que havia retornado ao grupo em 2009, os alemães do Masterplan estão se preparando para lançar o seu novo álbum de inéditas: Novum Initium (sugestivo, não?), sucessor de Time to be a King.
Dessa feita, o convocado para a difícil tarefa de substituir Lande nos vocais é o sueco Rick Altzi, mais conhecido por seus trabalhos com a banda de Power Metal At Vance.
O novo disco tem data prevista de laçamento para o dia 14 de Junho e já conta com um novo vídeo de divulgação do single Keep Your Dream Alive que você pode conferir logo abaixo junto com a capa e o tracklist do álbum.

1. Per Aspera Ad Astra
2. The Game
3. Keep Your Dream Alive
4. Black Night Of Magic
5. Betrayal
6. No Escape
7. Pray On My Soul
8. Earth Is Going Down
9. Return From Avalon
10. Through Your Eyes
11. Novum Initium
12. 1492 (bonus track da edição digipack)
13. Fear The Silence (bonus track da edição digipack)

sábado, 18 de maio de 2013

Stormental em Salvador-BA


Depois de muita luta, dedicação e persistência, finalmente, este que vos escreve, conseguirá ver um show da banda que intitula este post!
Quem me conhece pessoalmente com toda a certeza já deve ter algum material do Stormental, isso porque eu sou, provavelmente, o maior difusor do som dos caras por aqui! Era um sonho poder ver esses caras tocando ao vivo e agora eu finalmente vou poder fazer isso; após 6 anos curtindo o trampo deles apenas pelos cds/dvds e mp3.
Com o apoio essencial de alguns parceiros que me ajudaram a realizar esse projeto, espero ver um dos melhores shows dessa que, na minha opinião, é uma das bandas mais influentes dentro do Metal Progressivo brasileiro! Então espero que todos os headbangers e também todos aqueles que apreciam a boa música executada de maneira virtuosa por músicos mais que competentes compareçam pra que façamos uma grande festa!!!


08 de Junho de 2013, Sábado as 22:00

No 116º Graus Music Bar (Antigo Tarrafa) - Rua da Paciência, 116 - Rio Vermelho - Salvador , BA

com as bandas: 
Acanon
Shemariah
Blessed In Fire




quinta-feira, 2 de maio de 2013

Slayer: Morre guitarrista Jeff Henneman


É triste a notícia, mas foi confirmada por vias oficiais que o guitarrista Jeff Hanneman, 49, veio a falecer hoje por volta das 11:00 horas.
Um comunicado foi deixado na página oficial da banda tanto no Facebook, quanto no Tweeter informando o falecimento do guitarrista. A tradução segue abaixo:

"O Slayer está devastado em ter que informar que seu colega de banda e irmão, Jeff Hanneman, faleceu por volta de 11:00 desta manhã perto de sua casa no sul da Califórnia. Hanneman estava em um hospital da área quando sofreu insuficiência hepática. Ele deixa sua esposa, Kathy, sua irmã Kathy e seus irmãos Michael e Larry, e fará muita falta.


Nosso irmão Jeff Hanneman, que descanse em paz (1964 - 2013)"

Não era esse o tipo de notícia que eu gostaria de dar. Mesmo não sendo um grande entusiasta da banda, é inegável toda relevância dela no cenário metálico mundial, uma das poucas dentro do gênero que conseguiu manter-se fiel à sonoridade que a consagrou. 
A notícia também pegou de surpresa a maioria dos fãs que, assim como eu, sabia dos problemas do Jeff, mas acreditava que o mesmo estava se recuperando e se preparando para voltar aos palcos nos próximos meses.
Bom, só nos resta deixar os pêsames e torcer pra que a banda ache forças pra se reerguer depois de um golpe tão duro quando este!


terça-feira, 30 de abril de 2013

Children Of Bodom: Faixas disponíveis

Faltando pouco mais de um mês para o lançamento de "Halo Of Blood", os finlandeses do Children Of Bodom disponibilizaram para audição duas das músicas que compõem o álbum que está previsto para ser lançado dia 7 de Junho na Europa e 11 de Junho na América do Norte.
As duas faixas disponibilizadas são a que leva o nome do álbum e logo em seguida a "Transference".
Infelizmente as músicas já foram removidas e não estão mais disponíveis nos canais oficiais da banda (até o momento em que vos falo).


"Halo Of Blood" foi gravado no Danger Johnny Studios em Helsinki, Finlândia, e mixado no Finnvox Studios. Maiores novidades em breve conforme forem anunciadas.



01. Waste Of Skin
02. Halo Of Blood
03. Scream For Silence
04. Transference
05. Bodom Blue Moon (The Second Coming)
06. The Days Are Numbered
07. Dead Man’s Hand On You
08. Damage Beyond Repair
09. All Twisted
10. One Bottle And A Knee Deep

Dream Theater: Mike Mangini - O derradeiro teste

Em 2010 após a saída do seu fundador e mentor intelectual, os gigantes do Metal Progressivo, Dream Theater,  se viram encurralados pela difícil tarefa de encontrar um substituto a altura do carismático Mike Portnoy.
Após uma espécie de reality show, fomos apresentados a escolha suspeita do baterista Mike Mangini. Pois bem, logo após isso, mantendo o cronograma já conhecido dos fãs, a banda continuou seus planos de gravação e no ano de 2011 lançaram seu décimo primeiro álbum de estúdio: o excelente A Dramatic Turns Of Events. O registro, que entrou no top 10 em 14 países (incluindo EUA) rendeu a primeira indicação do grupo ao Grammy em 25 anos de existência, concorrendo na categoria de melhor performance de Rock/ Metal com a música "On The Backs of Angels".
Apesar do aparente sucesso e boa aceitação do novo batera, os integrantes fizeram questão de isentar o "novato" de qualquer tipo de retaliação que, porventura, pudesse vir a sofrer caso o álbum não fosse bem. E como fizeram isso? Ora, foi bem simples: Mr. Petrucci e Mr Rudness tratara de criar todas as linhas de bateria e deram tudo prontinho apenas pro Mr Mangini sentar e tocar. Funcionou.
Agora, passados mais dois anos, estamos as portas de mais um lançamento. Até o final do ano teremos mais um novo álbum do Dream Theater; e também o derradeiro teste do Mangini como substituto do Portnoy.
Respondendo algumas perguntas dos fãs através do Twitter, os integrantes afirmaram que o sucessor de "ADTOE" deve sair até o final do verão no hemisfério norte, o que significa que podemos esperar até meados de Setembro.


Sobre as composições, o guitarrista John Petrucci, completamente desprendido de qualquer resquício de falsa modéstia disparou: "Primeiramente, está sendo ótimo [com o baterista Mike Mangini, que entrou para o grupo em 2010], e por mais que estejamos juntos na banda por uns 15 anos, não experimentamos juntos esse processo de fato. Estamos no estúdio há algumas semanas, e ele tem sido incrível. Uma química incrível é ótimo, o processo de composição e toda a vibe estão ótimos, e o papel dele e deixar sua personalidade brilhar como baterista e criativamente, e deixar a marca de sua personalidade musical realmente aparecer.

Só o que posso lhe dizer é que está acontecendo. Quando as pessoas ouvirem a bateria nesse álbum, elas vão pirar. No último álbum ele fez um ótimo trabalho, mas ele não esteve presente no processo de composição e ele interpretou as partes da bateria que eu havia programado. Muito embora obviamente ele tenha usado sua criatividade, mudando aquilo e fazer o lance dele, sinto que agora o Mike Mangini se revelou. É ele por completo. É ele pleno em sua criatividade, pleno em suas decisões e idéias e cara, o homem é um animal". 
Enquanto isso, circulam na internet algumas imagens que, supostamente, seriam da capa do novo álbum. 
Em paralelo, a banda continua a divulgação do novo DVD "Live At Luna Park" gravado na América do Sul previsto para ser lançado no mês de Maio. 




Angra: 20 anos de mimimi... Ops... De Angels Cry


Antes que venham me crucificar pelo título da postagem, preciso deixar bem claro para aqueles que não me conhecem, que sou um fã declarado da banda em questão! Gosto de todos os álbuns, mesmo aqueles condenados pela maioria, tem seu brilho aos meus olhos.

Dito isso, vamos ao que interessa... No ano que segue, o aclamado álbum que lançou a banda ao mundo completa seus 20 aninhos!!! E para comemorar essa data, o ex-ex-vocalista da banda, Andre Matos, resolveu incluir em seu setlist da nova tour a execução na íntegra do referido disco.


Ao redor desse vigésimo aniversário, como era de se esperar, muitas especulações surgiram. Entre elas, a que mais tem repercutido é a possibilidade de uma reunião nem que seja apenas pra uma dúzia de shows comemorativos. 
Tais especulações ganharam ainda mais força depois de algumas declarações polêmicas de integrantes e ex-integrantes. Dentre elas, o (rechonchudo) Andre Matos alfinetando a banda, afirmando, em uma entrevista dada à Heavy Nation, que a mesma já deveria ter pendurado as chuteiras. Em resposta, numa entrevistas dada a mesma rádio, O guitarrista Rafael Bittencourt e o baixista Felipe Andreoli rebateram as declarações do Andre e deixaram o recado: "Nossa força vai além do vocalista".


Outra declaração que ganhou enormes proporções vieram também do Rafael, afirmando que, para comemorar os 20 anos do Angels Cry, a banda pretende (ou pretendia) gravar um DVD comemorativo com a formação original e a participação de todos os integrantes que já fizeram parte do grupo ao longo de sua existência.

O guitarrista afirmou ainda ao "Lokaos Rock Show" que os planos seriam gravar esse DVD em lugares onde a banda concentra maior público como São Paulo, Paris e Tokyo. Segundo Rafael, só falta apenas o Andre Matos aceitar o convite pra esse DVD rolar.
Em paralelo, o Angra continua a sua procura por um novo vocalista que, ao que tudo indica, será um brasileiro escolhido através de uma espécie de reality show, tipo aquele que o Dream Theater fez pra escolher o novo batera. Mesmo com a boa repercussão dos shows feitos com Fabio Lione do Rhapsody Of Fire, por questões de logísticas e intencionando mostrar os vocalistas brasileiros ao mundo, o grupo deve escolher alguém do território nacional pra facilitar todo o processo.
Enquanto isso, ficamos aqui na expectativa tanto pra saber quem será o novo vocalista quanto pra ver se finalmente vai rolar essa bendita reunião com um DVD decente (finalmente!) e quem sabe uma tour pelo país! 
Parabéns ao Angels Cry e vida longa ao Angra! :)


quarta-feira, 20 de março de 2013

Children Of Bodom: Divulgando novo disco!

Os finlandeses do Children of Bodom acabaram de divulgar detalhes do sucessor do aclamado "Relentless Reckless Forever". A banda definiu "Halo Of Blood" como título do seu novo trabalho com data de lançamento prevista para 11 de Junho na América do Norte, via Nuclear Blast Records.
A arte da capa ficou por conta do artista Sami Saramäki que já trabalhou com a banda em álbuns anteriores como, por exemplo, em Follow The Reaper, Hate Crew Deathroll e Are You Dead Yet.
O baixista Henkka Seppälä manifestou o que a banda queria passar com a arte da capa: "Nós queríamos ter uma cena de inverno. De alguma forma, ela se encaixa bem com a atmosfera da música. Na verdade, poderia ser o lago Bodom congelado, com pessoas presas sob o gelo. Muito finlandeses procuram esta cena. Nós realmente estamos felizes com o trabalho do Sammi!"
"Halo Of Blood" que contará com 10 faixas foi gravado no Danger Johnny Studios em Helsinki e mixado no Finnvox Studios. O álbum contou com o trabalho do conhecidíssimo Peter Tägtgren (Hypocrisy, Pain) que se responsabilizou pela produção dos vocais e teclados
O vocalista/guitarrista Alexi Laiho comentou: "'Halo Of Blood' é o oitavo álbum de estúdio do Children Of Bodom, e, acredite ou não, ainda conseguimos mantê-lo como uma novidade, mas mantendo os elementos que fazem o som do COB reconhecível. Ele possui a música mais rápida e a mais lenta que já fizemos, enquanto as sábias letras abordam temas nunca tratados antes. São 10 novas músicas de puro Metal nórdico".

Segue abaixo o tracklist do álbum:

01. Waste Of Skin
02. Halo Of Blood
03. Scream For Silence
04. Transference
05. Bodom Blue Moon (The Second Coming)
06. The Days Are Numbered
07. Dead Man’s Hand On You
08. Damage Beyond Repair
09. All Twisted
10. One Bottle And A Knee Deep


sexta-feira, 1 de março de 2013

Shadowside: Inner Monster Out


Na ativa desde 2001, os paulistas da Shadowside representados pela voz potente e marcante da excelente vocalista Dani Nolden, mais uma vez nos surpreendem com o seu Heavy Metal feroz e mais devastador do que nunca! Após os excelentes “Theatre Of Shadows” e “Dare To Dream”, na opinião deste que vos escreve, seria difícil (pra não dizer impossível) que a banda conseguisse compor mais um álbum que beirasse a perfeição como seus predecessores.
Bom, felizmente eu estava errado, e em 2011 somos assolados (no bom sentido) por esse que, a meu ver, vem a ser o melhor álbum do quarteto até o momento! Após dois anos de espera “Inner Monster Out” chega demolindo tudo sem fazer cerimônia, tão impactante e intenso quanto levar um chute no traseiro!

Neste terceiro disco de estúdio, gravado no renomado Fredman Studio, em Gotemburgo, na Suécia, temos a mesma fórmula apresentada nos lançamentos anteriores, porém melhoradas! A impecável produção de Fredrik Nordstrom (conhecidos por trabalhos com Evergrey, Arch Enemy e Dimmu Borgir, além de ser também guitarrista do Dream Evil) conseguiu elevar ainda mais as qualidades que o gurpo já havia apresentado anteriormente; Encontramos a mesma pegada forte e agressiva do Heavy Metal tradicional que são a marca registrada da banda, entretanto, aqui temos uma melhora expressiva e músicas mais encorpadas, acrescidas da influência perceptível de Metal moderno e Melodic Death Metal. Riffs matadores e melodias cativantes demonstram uma influência dos melhores dentre esse gênero como, por exemplo, Soil Work e In Flames atual. Tudo isso ocorre de maneira natural, com uma dinâmica tão interessante que deixa bem claro que não se trata de uma evolução forçada, mas sim do jeito Shadowside de fazer Heavy Metal!

Em Inner Monster Out temos uma banda ainda mais madura e profissional, demonstrando entrosamento e extremo bom gosto nas composições. Músicas intensas e inspiradas com refrões contagiantes como “Gag Order”, “Angel With Horns” e “Habitchual” - que iniciam o disco em alto nível - dão um gostinho do que vem pela frente.
Além disso, temos ainda o peso absurdo que impera em praticamente todas as músicas, o que torna impossível manter os pescoços no lugar por um momento sequer. Como exemplo, temos “In The Name Of Love”, “My Disrupted Reality”, a violenta “I’m Your Mind” e a acelerada “Waste of Life”! Complementando a destruição Sonora, temos “Inner Monster Out” que vem recheada com as participações especiais de grandes nomes do Metal como Björn “Speed” Strid (Soilwork), Mikael Stanne (Dark Tranquillity) e Niklas Isfeldt (Dream Evil).

A soturna, porém cativante “A Smile Upon Death” nos brinda com uma pegada puxada para o Melodic Death sueco, assim como, também, a excelente “A.D.D.”, enquanto isso, a identidade e o som característico da banda são realçados em “Whatever Our Fortune”.
Repleto de referências e influências, “Inner Monster Out” constrói a sua própria identidade ao mostrar-se capaz de flertar com diversos subgêneros do Heavy Metal sem realmente se prender a nenhum deles, consolidando ainda mais o nome Shadowside entre os grandes do Metal brasileiro! Mostrando ao mundo o enorme poder de fogo que essa promissora banda tem!


sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

WET: Disponibilizando novo Single

Eis que depois de aproximadamente quatro anos de espera, finalmente o projeto conta com os grandes talentos do cantor/compositor JEFF SCOTT SOTO (TALISMAN), o guitarrista/compositor Erik Mastensson (ECLIPSE) e o tecladista Robert Sall (WORK OF ART), liberam novo material neste ano de 2013, um single intitulado Learn To Live Again que fará parte do novo álbum do grupo que também sai este ano chamado Rise Up.
O disco tem data de lançamento prevista pra hoje, dia 22 de Fevereiro, na Europa e pro dia 26 de Fevereiro nos Estados Unidos. 
Confiram ao lado as artes das capas correspondentes ao single Learn To Live Again e do álbum Rise Up e logo abaixo o video de divulgação de Learn To Live Again.
Aliás, pra quem não sabe, uma pequena curiosidade: O nome do projeto é justamente uma referência às bandas dos integrantes: (W)ork of Art, (E)clipse e (T)alisman.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Hartmann - Balance (2012)



Passaram-se dois anos entre o lançamento do excelente “Hartmann III” e “Balance” e, mais uma vez, o alemão Oliver Hartmann, conhecido principalmente por seus trabalhos com as bandas de Power Metal At Vance e por participações na Metal Opera Avantasia, disponibiliza mais um disco do seu projeto abertamente enraizado no Hard Rock Aor.
Como sempre, contamos com belíssimas composições de extremo bom gosto que vão agradar a qualquer fã do gênero, ou mesmo os apreciadores da boa música. Temos aqui, acima de tudo, um álbum que transpõe as barreiras do Hard Rock, mostrando-se versátil ao mostrar nítidas influências do Heavy Metal e flertar com a música pop sem perder a identidade, a exemplo da excelente “Like A River” e da bonita “You Are The One”.


Sempre priorizamos o bom e velho Hard Rock, temos a contagiante “Fool For You” com uma boa pegada e um refrão cativante, que, aliás, é a marca registrada do álbum. É impossível ouvi-lo sem cantarolar um refrão de qualquer uma das 12 músicas já na primeira audição! Ainda no momento Hard, não podemos esquecer de “All My Life” que abre o disco em grande estilo, mostrando-se uma feliz escolha para tal; um Hard Rock simples e direto com um refrão super grudento! Ainda em alto astral, temos a “Save Me”, Hard Rock em essência com pitadas perceptíveis de Melodic Metal.
A segura “After the Love Is Gone”, com uma pegada mais deprê, não deixa a desejar e nos traz aquela sensação nostálgica de já tê-la ouvido em algum lugar. Mantendo um clima mais calmo, ainda temos as belíssimas baladas “From A Star” e “Time To Face The Truth”.
Completam o play a boa “Fall From Grace”, a contagiante “Dance On The Wire”, a interessante “Shout” e a balada “The Best Is Yet To Come” fechando o disco de maneira satisfatória!
Composições de extremo bom gosto e músicas inspiradas colocam “Balance” como mais um acertado passo na carreira solo de Oliver Hatmann, consolidando-o como um excelente vocalista/ compositor/ guitarrista. Se é fã dos trabalhos deste alemão, ou mesmo admirador da boa música, este álbum é item indispensável. Apresse-se em aouví-lo!